quinta-feira, setembro 18, 2008

Blaxploitation


Curtis Mayfield
Superfly (1972)





Quando no ano passado eu ganhei de aniversario da Ma o livro "1001 Discos Para Ouvir Antes de Morrer" eu tracei um objetivo, baixar todos os discos dali que me interessavam. Esse foi um deles, uma obra prima do soul, trilha sonora do filme de mesmo nome. O filme é do gênero Blaxploitation, o mesmo do primeiro Shaft, e ambos são recomendadissimos por esse que vos escreve.
Deixando o filme de lado o disco é brilhante do começo ao fim, destaque para a Little Child Runnin Wild, Pusherman e Superfly, musicas para qualquer discotecagem. E para Give Me Your Love, para ouvir com a sua garota. Abaixo coloco o trailer do filme

quinta-feira, setembro 11, 2008

O retorno


A volta começa já agressivando, Cadence Weapon é um canadense que faz um dos Hip-Hops mais criativos da atualidade, esse é seu primeiro disco, de 2006. O disco tem em todas as letras estorinhas, mais nele é tudo sobre batidas. Com um tanto de grime, muitas vezes as batidas se sobrepõem a rima que fica em segundo plano. É incrível o fato de não ter nada orgânico, é tudo eletrônico ao extremo. Tem partes que numa primeira audição assustam, mais prendem, na primeira vez que ouvi tive que ouvir mais duas vezes na seqüencia.
A forma como eu conheci o Rollie Pemberton aka Cadence Weapon, foi bem curiosa. Quando ele lançou seu ultimo disco, o Afterparty Babies, ficou em destaque no allmusic (incrível mais o allmusic as vezes surpreende) e eu vi que era um rapper canadense, e eu não conhecia nenhum, portanto fui atrás. No site que eu baixava musica só tinha o Breaking Keyfabe, então eu baixei e hoje ele é sem duvida meu trabalho preferido.
Uma outra coisa inusitada é que o Dago viu um show do Cadence no South by Southwest e falou no be my head, seu blog, algo do tipo "se vc acha que o hip-hop atual esta chato é pq não ouviu Cadence Weapon". Tem la também uma matéria do programa da Trama Virtual no SXSW que o aparece o um trecho do show e uma entrevista.
Portanto baixe e ouça, se você ouvir o teclado que abre o disco e pirar como aconteceu comigo fodeu, você não vai parar de escutar.

quarta-feira, setembro 10, 2008

Voltei

Faz um bom tempo eu fiquei com preguiça de escrever aqui.

sexta-feira, maio 04, 2007

Now Testify

A primeira vez que eu vi esse vídeo fiquei emocionado, até porque é de uma das bandas que me formou musicalmente, tinha lá meus 15 anos e meu sonho era ver um show deles mais nunca veio pra cá, ai agora eles voltam. A esperança é a ultima que morre, e se eles aparecerem por aqui certamente virarei um moleque!

sexta-feira, abril 27, 2007

Viva a America latina


Mais nova descoberta vem do México, Chikita Violenta, com um disco gravado em Toronto e produzido pelo membro e produtor do Broken Social Scene David Newfeld alem de participação de outros membros do BSS. O disco foi lançado somente no país deles e é muito bom, letras em inglês(o quê da um pouco de raiva), instrumental foda, ambientação linda. De quebra um videozinho que conta o processo de gravação em toronto.


Link : Chikita Violenta - The Stars & Suns Sessions

quinta-feira, abril 26, 2007

Revivendo


Após um período de exclusão volto à ativa. Motivado por um blog de certos amigos subirei um disco que prometi há muito tempo para o Pk ai vai.
Gravado em 6 de julho de 1979 em Copenhagen foi uma das minhas maiores descobertas do ano passado quando eu herdei a coleção de vinis do meu pai. Skol é um disco inquestionavelmente lindo. Olha o time:
Oscar Peterson - Piano
Stephane Grappelli – Violino
Joe Pass – Guitarra
Mickey Roker – Bateria
Niels Henning Orsted-Pedersen – Baixo

Definitivamente não é leve.
E sim é da Pablo(pelo menos o meu vinil)

quarta-feira, abril 25, 2007

...

épico é o mínimo

sexta-feira, dezembro 15, 2006

Belezas do pavimento




E mais um ano vai chegando ao fim, cada vez mais rápido os anos se passam. Como a maioria já sabe fiz aniversario na semana passada e ganhei alguns presentinhos, mais sem duvida eu tenho um preferido. Uma pepita, um absurdo. Crooked Rain, Crooked Rain: LA's Desert Origins, dois álbum entupido por 49 canções, um com 78 e o outro 79 minutos de puro elixir musical. Versões absurdas de musicas consagradas, inéditas absurdas, descontração, conversas de estúdio. Ou seja foda. Ou seja Pavement.





Crooked Rain, Crooked Rain: LA's Desert Origins 1-2





segunda-feira, dezembro 04, 2006

quarta-feira, novembro 22, 2006

The Blind Boys


Essa foi uma banda a qual eu descobri ouvindo aqueles trinta segundinhos na Fnac, o fato deles serem cegos me atraiu porque acho impressionante a sensibilidade dos mesmos com instrumentos, e eu fui naquelas maquininhas com fones horríveis. Sendo assim toda vez que eu passava por lá com alguém eu mostrava esse disco mais sempre esquecia de procurar na internet. Foi quando neste sábado eu estava de bobeira na Avenida Paulista e passei pela loja e para minha surpresa esse disco estava em promoção, custando R$11,19 , não agüentei e comprei. Fui para a casa do Thomas tomar uma cervejinha e escutei pela primeira vez o disco inteiro, e realmente é maravilhoso, um blues gospel com vocais tocantes. Destaque para a ultima música que conta apenas com um órgão e uma gaita alem de camadas de vocais.